Translate this blog!

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Dança Baladi

Post revisto e reescrito em 08/04/16

Em árabe, baladi/balady significa, literalmente, “minha terra” ou “caipira” dentro das cidades. É também uma dança popular realizada por mulheres e homens em casa, nas festas domésticas, por exemplo, podendo ser feita também em caráter solo. Não é uma dança folclórica, que costuma se limitar a determinado grupo étnico. É a dança do dia-a-dia no Egito. E foi nela que a dança do ventre se inspirou.

A roupa que melhor representa uma dança baladi é a galabia, com lenço ou faixa (mais moderno) na cabeça e no quadril. Mas a roupa de Dança do Ventre pode ser utilizada, assim como qualquer roupa do corpo, no caso do shaabi ou em um baladi moderno. A escolha das roupas sempre depende do contexto que você estará e da música: show, festa da colônia árabe, teatro. Os snujs podem complementar a dança, mas não é obrigatório.

A improvisação vocal (maual) ou instrumental (taksim) está quase sempre presente na dança baladi. O maual é a introdução vocal que o árabe faz; descende de um canto religioso, segundo alguns estudiosos. São momentos em que o cantor é dominado por seus sentimentos, geralmente relatando histórias de amor ou desilusões. Costuma aparecer no início das músicas, mas pode vir no meio também:


Na dança baladi, os instrumentos mais presentes são a nay, alaúde, kanoon e o acordeon. O acordeon tem origem na China e não se sabe como chegou ao Egito e se tornou seu instrumento mais importante. Ele é o instrumento mais utilizado nas músicas balady, como na entrada na forma de taksim, onde a percussão entrará depois. Particularmente, é meu instrumento favorito.

A bailarina brasileira Maira Magno (SE) considera 3 tipos de baladi: Alexandria (Meleah-laff), Sul do Egito (Said e Ghawazee) e Norte do Egito. Mas há quem considere o Fallahi como dança Baladi também.

As Ghawazee usam a nay e o rabab com a estrutura do baladi, incorporando o acordeon dos turcos em torno de 1700. Elas, atualmente, se concentram mais no sul do Egito, como em Luxor. A bailarina egípcia Fifi Abdo costuma representar um baladi mais ghawazee, que não é uma dança bem vista pelos egípcios. Ela representa uma personagem popular, a Malena, que o bailarino egípcio Mahmoud Reda levou aos palcos com a dança meleah laff.


A bailarina egípcia Souhair Zaki é do norte do Egito e é uma grande representante da dança baladi (da forma mais conhecida aqui no Brasil, o taqsim balady). Ela tem uma dança mais doce, mais introspectiva, mais típica do interior.


Caso você queira coreografar um taqsim balady, a dança deve parecer uma improvisação, porque ela é improvisada culturalmente! As egípcias usam tanto as mãos quanto o quadril, com pouco braço e o tronco mais parado que puder. Oitos, camelos e redondos são muito usados e pequenos. Aqui, nesse vídeo, eu danço uma progressão balady ou taqsim balady:


Quando o baladi é cantado, dependendo da letra, pode ser chamado de Shaabi, que é uma palavra árabe para "folclore" no Marrocos, porém no Egito, é uma dança urbana das classes D e E. São músicas que falam sobre o cotidiano dessas classes, muitas vezes, sobre temáticas pejorativas. Para tentar representar um shaabi autêntico, não se deve estar preocupado em seguir a música, apenas dançar, sendo menos complexo possível, permitir-se. Existem muitos cantores no Egito; entre os mais famosos está o Saad el Soghayer. E sim, é a Dina quem está no clip:



Os baladys mais modernos (alguns chamam de new baladi ou balady moderno), como os do Armen Kusikian, permitem uma leitura mais moderna da dança, refletindo inclusive nos figurinos. A ucraniana Marta Korzun é ótima nesse estilo:



Fontes: Anotações pessoais de aulas com professores variados (Khaled Seif, Jade el Jabel, Luciana Midlej, Luciana Nogueira, Maira Magno, Marta Korzun, Melinda James, Nour, Orit Maftsir, Raqia Hassan); Blog Yallah!.

Bauce kabir,
Hanna Aisha

10 comentários:

  1. Legal... acabei de ver seu post, logo depois de ter publicado um texto tb sobre baladi.

    ResponderExcluir
  2. Eu só identifiquei o ritmo baladi no vídeo da Saida... A característica do baladi não é começar com dois "DUM"? O restante dos vídeos estão com o ritmo Saidi (não folclore, ritmo). Até na dançarina russa, apesar dela estar toda paramentada, o ritmo não é baladi (ou masmoudi saghir).

    ResponderExcluir
  3. Celia
    Não há problema nenhum do ritmo não ser baladi. Tanto que esse nome não é tão adequado; o baladi 1 se chama maqsoum e o baladi 2, masmoudi saghir.
    O saaid é um tipo de baladi, assim como o meleah laff que pode ser dançado com o ritmo laff (malfuf)!!!
    Baladi é quase que uma maneira de viver, é o jeito árabe de ser e de dançar, que é mais característico dos egípcios.

    Lory, lerei seu texto em breve!

    ResponderExcluir
  4. Ah sim, então vc me tirou a dúvida: o folclore baladi pode ser dançado com maqsum, masmoudi saghir ou saidi. No caso, não é que eles todos sejam "baladi" (q na verdade é uma estrutura, não um ritmo ou estilo), mas eles podem ser usados para compor o folclore! Ok, obrigada!

    ResponderExcluir
  5. O nome folclore diz respeito a determinado grupo étnico, geralmente. Nesse caso do baladi, é melhor dizer que é uma dança popular. É só fazer a associação com o samba ou forró.

    ResponderExcluir
  6. Oi gatona,
    Adorei o post!
    Beijinho

    ResponderExcluir
  7. Adorei todos os vídeos, são fáceis de distinguir. Conheci um baladi diferente do que estava acostumada. Muito bom! Em especiala graciosidade de Maíra Magno.

    ResponderExcluir
  8. Achei super legal o post. Muito boas as informações. Quais foram suas fontes de pesquisa?

    ResponderExcluir
  9. Oi, Isabela

    minha principal fonte de pesquisa para o Balady foi a Maira Magno, mas o texto está preenchido com aulas de outros bailarinos também, além do meu próprio bom senso, ou seja, evito escrever sobre "mito".

    Beijos, volte sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito legal. Parabéns pelo post e obrigada pela resposta.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...