Translate this blog!

domingo, 4 de dezembro de 2011

A pressa da profissionalização em DV

Profissionalizar para quê? Para dar um workshop com os movimentos da Randa Kamel e os giros da Lulu? Até onde isso é contribuição original?

Eu como aluna ainda... tinha 5 anos de dança
Levei 7 anos para ter coragem e assumir a responsabilidade de ter um DRT e me responsabilizar por mim mesma, sem ninguém me apoiando e coordenando diretamente por trás (como existe né, a gente sabe). Eu fico impressionada com a pressa que as meninas têm de profissionalizar em DV.

Não que eu não ache isso importante; é sim e nem acho que sejam necessários 7 anos, depende de cada uma. Fazer uma faculdade de dança, sindicalizar, fazer cursos sérios de profissionalização, aula regular... deve ser buscado!

Reforço o tema do post: por quê a pressa? Para ganhar R$ 50,00 em um restaurante e colocar suas fotos no Facebook?

Só porque sua mãe, amigas e amigos, parentes ou qualquer pessoa diz que você está dançando muito bem (o que pode muito bem ser verdade, não estou questionando isso) NÃO QUER DIZER que você esteja preparada para nosso tão amigável mercado de dança do ventre.



De preferência, após a supervisão de uma profissional e um estágio razoável na presença da mesma. Por que não estágio? Se médico leva dois anos de residência para ganhar a especialização por que você, bailoca, não pode se preparar melhor? Ou você acha que é só ensinar as mãos, oitos e montar coreografia?

A responsabilidade de ter corpos em suas mãos é tão grande quanto sua atenção ao psicológico das alunas.

Fooooooooooooooora, a questão do que chamo enrolation society. Sem enrolação, please, dê aulas com "sustância".

Apresentações

Geralmente, se começa por elas e costuma ser um bom indicativo: festivais, concursos, festa da escola... até se chegar nos restaurantes, shows e apresentações particulares. Essa é a parte que nosso ego é mais massageado, pois quase todas as pessoas irão te elogiar. O que não quer dizer muuuuuuuuita coisa assim, principalmente de onde vierem os elogios.

Workshops

É bem diferente de aula pois você tem um tempo limitado para explorar assuntos pontuais. Ninguém te prepara para isso, apenas a experiência de participar de workshops/cursos e de prepará-los. Eu, particularmente, me sinto novata nesse aspecto mas não tem por onde ir a não ser fazendo com bastante cautela, carinho, atenção e ESTUDO.

Relações sociais com suas colegas de profissão

...

A pior parte; é a que dá mais trabalho em cultivar. Por quê?

Porque nem todas querem receber críticas.
Porque algumas têm medo de perder alunas para você.
Porque algumas se acham mesmo, é da personalidade.
Porque só chamo para dançar quem me chama para dançar, independente da qualidade técnica.
Porque ela tem selo e você não.
Porque seu figurino não é de uma grife legal.
Porque se fofoca demais sem necessidade.
Porque as escolas não se misturam.
Porque sua aluna falou mal da outra professora.
Porque nunca sou chamada para nada.

...

Quantos bafos você escuta regularmente?

Boas professoras nem sempre são boas bailarinas ou coreógrafas e essa relação é um grande vice-versa. 

Quando decidir se profissionalizar, pense em todas essas responsabilidades que você automaticamente irá receber com ou sem DRT, mesmo não sendo minimamente qualificada em alguma delas (temporariamente, se espera).

Eu já errei como aluna e continuo errando, mesmo sendo hoje profissional. Como quase todas nós. Todas cometem deslizes. Até para quem escolhe uma posição mais reservada, existem consequências. Mas, repetir erros, não dá.

A questão aqui é procurar refletir sobre que objetivos você tem ao ser bailarina profissional ou ao se projetar como uma. Pois a partir do momento que escolher a profissionalização, a cômoda posição de aluna deixa de existir e você passa a se responsabilizar por tudo que fala e faz. Até por ouvir e decidir esquecer ou não.

Quer ler mais sobre isso?

Bauce kabir,
Hanna Aisha

8 comentários:

  1. Oi Hanna!!
    Belíssimo e pertinente post!!
    Andei pensando nisso durante todo esse ano, quando completei dez anos de estudos na dança. Fico felizinha só em dançar em festinha de alunas da minha escola, em mostras de festivais ou no show de final de ano da minha professora. Não tenho pretensões de dançar em restaurantes (porque o cachê não paga nem meu táxi), NUNCA vou dar aulas (porque não tenho perfil, nem paciência, nem vocação para isso), nunca vou ser convidada para dar dançar em shows de gala de festivais porque não vou ter um número X de alunas para levar como público (ou talvez porque não dance o suficiente, who knows?) mas eu decidi que em 2012 vou direcionar meus esforços para conseguir o DRT.
    Por que??? E com que motivação??
    Porque eu acho que profissionalismo vai além da qualidade da dança, ela abrange outros itens como ética, comportamento, e muitos outros que voce citou.
    Tenho visto verdadeiros talentos obtendo DRT com apenas 2, 3 anos de estudo. Isso quer dizer que a dança delas está em num nível considerado profissional. Mas sinto que falta um amadurecimento em todo o resto, em relação a posturas profissionais e pessoais, coisas que somente o tempo vai trabalhar e trazer.
    Tenho ficado muito mais calada nos últimos tempos em relação a comportados que considerado inadequados e absurdos, porque infelizmente eu jamais vou estar em posição de fazer qualquer comentário ou crítica construtiva, porque poderia ouvir uma resposta do tipo "não estou no mesmo nível do que X ou Y", "nem profissional voce é", e outras coisas do tipo.
    Então, minha decisão de tirar o DRT vem mais da vontade de me apresentar, juntamente com minha postura, pessoal, social e artística (que eu, e outras pessoas bem conceituadas no meio da dança da cidade já consideram bem profissional) como PROFISSIONAL DE DANÇA DO VENTRE, oficialmente, na carteira de trabalho, que nem meu diploma da faculdade e meu registro no CRC. Não quero ser exemplo pra nada, só quero mostrar que num meio existem boas, ótimas, e excelentes pessoas. Quero o DRT não por vaidade, mas me considerar uma bailarina que tem consciencia do que é postura profissional. Acredito que a nossa arte pode e deve ser mais valorizada, tanto que a escolhi como tema de meu trabalho acadêmico em uma pós-graduação de Gestão Empresarial.
    Se a minha dança, apesar de correta tecnicamente, é de um estilo mais tradicional que não tem os elementos mínimos exigidos pra uma aprovação no sindicato (trabalho de véus mais elaborado, elementos de ballet, giros e arabesques, e etc), tou correndo atrás deles em 2012!!!!
    Espero ser bem sucedida, fazer meu trabalho de formiguinha e dar a minha gota de contribuição nesse oceano a ser alcançado!!
    Parabéns pelo seu blog e seu post!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. É Hanna concordo com você. Estou entrando no mercado agora, me formei cedo, porém fiz estágios, passei por varias exigências que acho necessário, avaliações... enfim, coisas que você não vê mas. Vejo muitas meninas que fazem 3 ou 4 anos de dança e já começam a dar aula, posso estar errada, mas acho muito pouco tempo para você ter essa responsabilidade, até porque trabalhamos com o corpo, qualquer movimento ensinado de maneira incorreta pode prejudicar a aula. Ser bailarina é fácil de fato, porém nem todas tem o "dom" de dar aula, e para dar aula é preciso de muuuito estudo. Então é o que você disse mesmo " Pra que ter pressa? "

    ResponderExcluir
  3. Não sou de comentar em blogs, mas dessa vez tive que me manifestar: excelente post! Verdades e mais verdades! E o pior que essa pressa toda, a meu ver, dificulta ainda mais a consolidação da DV como uma Arte que deve ser respeitada. Parabéns pelas palavras

    ResponderExcluir
  4. vou ser simplória, mas eu gosto daqui porque sempre tem 'café no bule' ;) adoro!
    ^^

    ResponderExcluir
  5. Eu gostei do que li!! Seus posts são sempre muito bons Hanna. Mas não tenho opinião pra expressar porque sinceramente não entendo nada disso rs não quero me profissionalizar, não sei o que exatamente as pessoas entendem também por isso (pq eu entendo de UM jeito e as pessoas de vários..e isso é normal). Então, só acho que é importante a discussão porque repercute na dança como um todo até pra quem só quer continuar aqui estudando, dançando e se divertindo! Parabéns. Beijos

    ResponderExcluir
  6. Parabéns! Exelente post! Bjks, Suh

    ResponderExcluir
  7. Concordo...principalmente com o fato de voce ter pessoas "em suas maos", isso é muuuito serio. Sem contar com a responsabilidade que voce passa a ter, em tudo..ate em um simples olhar...
    bjao
    Hannan

    ResponderExcluir
  8. Hanna, me desculpe escrever anônima, mas eu prefiro não me expor, espero que vc me entenda (vc entenderá depois de ler!)
    Bom, o caso é que eu sofro dessa "pressa em profissionalização" por parte da minha professora e colegas da dança do ventre.
    Minha professora quer muuuuuito que eu faça a prova do sindicato para adquirir o DRT, minhas colegas também insistem nisso. Mas eu acho muito cedo! Tenho menos de 2 anos em dança do ventre e nunca fiz nenhum outro tipo de dança na vida, nunca solei, nunca dançei de improviso. Estou dançando bem, é verdade, mas estou coreografada, e também pq me dedico e estudo, faço works e gosto muito da DV, mas acredito fielmente que obter um DRT e sair por aí se dizendo "profissional" é coisa muito séria! Uma professora lida com corpos e almas muito diferentes, precisa estar segura no que faz e ter domínio da técnica a fim de transmitir segurança às alunas. Precisa ter postura de profissonal e não apenas dançar bonito. Espero um dia "chegar lá", mas não me sinto preparada e acho que ainda não é a hora.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...