Translate this blog!

sábado, 1 de novembro de 2014

O que é folclore árabe?

Querida bellydancer,

É impossível resistir; em algum momento, você vai esbarrar com o folclore árabe. Estudar Folclore Árabe é uma das coisas mais difíceis dentro da nossa dança. pois a nossa principal referência é o trabalho de Mahmoud Reda, grande bailarino e coreógrafo responsável durante décadas pelo Reda Troupe, uma companhia de balé egípcio que existe até hoje. Como o próprio nome diz, é uma companhia de balé e por conta disso, tem licença poética para levar aos palcos vários tipos de folclore que o próprio Reda pesquisou em campo, no Egito. Então, fica a pergunta: o que é folclore árabe? Apenas o que o Reda desenvolveu? Como aprofundar? Não há como saber/estudar outras nuances?


Existem alguns tipos de folclores que podem ser levados aos palcos com mais autenticidade pois são ainda muito vivos e presentes no cotidiano de povos que temos acesso mais fácil, como o Dabke Libanês:


Quais seriam as modalidades que se encaixariam no quesito "Folclore Árabe"? É, existem algumas polêmicas com relação a isso pois algumas são consideradas dança popular por algumas bailarinas enquanto outras, categorizam como folclore, como o balady. E outras não existem como manifestação folclórica como o meleah-laff:


Já a Dança Said é um exemplo de folclore em que as mulheres se apropriaram para os palcos, apesar da inspiração ser uma dança masculina:


Munira Magharib diz em seu DVD de Balady que para você dançar bem uma dança, é preciso entender a fundo o seu povo, senão você acaba fazendo uma encenação, uma representação. E até aí, tudo bem. A Dança Fallahi é um exemplo claro de representação/encenação e a minha, não seria muito diferente, principalmente, se ela está sendo executada em um palco:


Qual seria o problema que algumas bailarinas com quem conversei já detectaram? Temos visto um excesso de licença poética que estão dando aos folclores, principalmente em concursos. E também é muita responsabilidade dizer que sua performance folclórica é legítima, mas isso não deveria te impedir de dançá-la, contanto que tenha sido bem estudado e embasado. Você também pode colocar um excesso de licença poética no seu folclore, contanto que isso fique bem explícito na sua proposta. O trabalho da Nagla Yacoub é um exemplo muito claro do que acabei de explicar:


O que está ERRADO e está ERRADO MESMO é dizer que você pode fazer o que quiser e colocar suas impressões/sentimentos/gostos pessoais na sua performance folclórica. Por exemplo, existe código de figurino folclórico SIM, assim como de estrutura musical! E quem diz que não existe código de figurino para funk ou samba não sabe o que está falando. Você não consegue identificar imediatamente uma funkeira ou uma mulata na feijoada na quadra de escola de samba? [por favor, não vamos nos remeter às exceções]. Como a Nilza Leão mesma diz, o que nos parece fantasia de palco, para os árabes não é!

Voltando à pergunta inicial: o que é folclore árabe? Apenas o que o Reda desenvolveu? Não há como saber/estudar outras nuances? Na minha opinião:

- Folclore árabe são as manifestações específicas de regiões que pertencem aos países árabes, que exigem determinados figurinos e músicas e que expressam alguma parte do seu cotidiano. Exemplos: Said, Fallahi, Núbia, Dabke, Mambouti/Semsemeya, Hagalla, Zaffe, Dança da Tunísia, etc. Para nós, que vemos de fora, tudo parece manifestação específica mas na realidade, existem detalhes que qualificam uma manifestação como popular, ou seja, manifestação que faz parte do cotidiano dessas pessoas mas que não representa nada além de alegria e confraternização como, por exemplo, Shaabi, Balady, Khaliji, Ghawazee. Mas isso não é consensual, ok?

- Não, o Reda não pode ser sua única referência de folclore porque o que ele desenvolveu é bastante refinado perto do que é "real". Mas é um ponto de vista que apareceu a partir de suas pesquisas de campo.

- Sim, há como saber/estudar outros "pontos de vista" sobre folclore, já que alguns são bem difíceis de acessar. Cada vez mais existem profissionais qualificados em folclore porque essas pessoas vão na fonte estudar nos locais de referência e isso facilita bastante entender/captar esse "espírito" que, comumente é difícil de entender, pois não é nossa realidade. Pesquise/procure por esses profissionais, não se prenda ao senso comum pois você pode (irá) se surpreender!

Por mais ousadia e menos medo porém, por mais estudo!


Para completar sua reflexão: Sala de Dança.

Bauce kabir,
Hanna Aisha

3 comentários:

  1. Olá! Saudades das postagens, garota! Para complementar, segue o podcast sobre Folclore com Marcia Dib: http://www.saladedanca.com.br/podcast-60/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lembrei ontem de noite e coloquei no post antes de ver seu comentário! Obrigada por lembrar de qualquer maneira! Beijos

      Excluir
  2. Hanna como sempre nos preparando para o melhor!!!
    Pois concordo com você em cada palavrinha.
    Amo folclore e é algo que pretendo estudar e me atualizar sempre!!
    É complicado quando se trata de concurso, onde muitos que julgam têm uma visão totalmente diferente do outro e muitas vezes a verdade de um não é a mesma verdade do outro. Temos que saber filtrar isso e só absorver o que vai nos acrescentar!! É claro que toda crítica sendo construtiva, a bailarina poderá se preparar melhor para toda dança, seja ela qual for!!
    É claro que quando você sabe que aquele certo julgador vai a fonte e estuda "in loco" faz uma baita e grande diferença. Diferente de muitos que pegam informações apenas pelo Google ou relatos com bases na maioria distorcidas e contradizem muitos estudos de quem está lá buscando diariamente e "mamando na fonte" entende!?
    Bom, eu certamente só sei que nada sei!!!! Estou ainda na busca desses ricos conhecimentos dessa cultura que é tão linda e caiu em minha vida de forma tão plena!!
    E com base em avaliações dos concursos eu retiro o melhor daqueles que eu sei que certamente faz a diferença e que estuda, que busca com profissionais capacitados para tal tema, que dança com a alma e o coração, que ama de fato o que faz. Retiro disso também toda a crítica que seja construtiva para que a minha dança seja aperfeiçoada de maneira limpa!!! Eu agradeço aos meus mestres que sempre me incentivam me ajudam na construção de cada performance de folclore árabe.
    Obrigada pelo post Hanna :)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...